Segundo a Pitchfork, os Daft Punk chegaram ao fim da linha que pôs toda a gente a dançar na década de 90 até aos dias de hoje.

A despedida tomou o formato de um vídeo enigmático, intitulado "Epilogue", onde Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter se separam depois de um dele explodir.

Com um simples "1993-2021"e, sem nenhuma palavra, termina assim, uma das duplas mais notáveis da eletrónica de sempre, com 28 anos de carreira.

Os dois franceses juntaram-se em 1993 em Paris e, quatro anos depois, faziam o seu primeiro trabalho de casa de uma forma brilhante: "Homework".

Firmaram-se com os álbuns "Around The World" e "Da Funk" mas a consagração do duo que sempre escondeu a cara por detrás de capacetes de robôt, fez-se com a chegada de "Discovery", em 2001, que trazia no alinhamento pérolas como: "One More Time" e "Better, Faster, Stronger".

Quatros anos depois, editaram "Human After All" e, rápidamente, deram o salto para o grande écrã, assinando a banda sonora do filme "Tron: Legacy".

Em 2013, regressaram em grande com "Random Access Memories", que viria a ser o derradeiro disco da dupla, onde se encontra o bombástico "Get Lucky", uma parceria com Pharrell Williams e Nile Rodgers, assim como os singles, "Lose Yourself To Dance", ou "Give Life Back to Music".

O disco foi premiado com três Grammys, incluindo na categoria mais desejada de "Melhor Álbum do Ano", e permitiu ao duo, alcançar a liderança das maiores tabelas de vendas, como os tops norte-americano, britânico, françês, alemão, australiano, canadiano ou mexicano, assim como em Portugal.
"Random Access Memories" atingiu o lugar cimeiro do top de vendas.

A última digressão internacional dos Daft Punk, foi entre os anos 2006 e 2007, e passou por Portugal, naquele que tornar-se-ia no único concerto da dupla no nosso país, quando atuaram no Festival Sudoeste, em 2006.